Música para defender os Direitos Humanos

A música converteu-se no último século como uma das melhores vias para levar mensagens ao grande público. O acto de cantar em coro promove os valores da comunidade.
Neste caso referimo-nos à comunidade que acredita nos valores dos direitos humanos. A declaração dos direitos humanos mais disruptiva é provavelmente  a Déclaration des droits de l’homme et du citoyen  de 1789, da Revolução Francesa.

Mais recentemente, na Assembleia Geral das Nações Unidas,  A Declaracção Universal do Direitos Humanos de 1948 conseguiu colmatar algumas das suas deficiências,  através de princípios que permanecem vigentes e encontram na voz humana uma das melhores vias para transmiti-los.

“Voz humana” órgão barroco de la Igreja de São Francisco, Évora. Foto: María Zozaya.

Com o objectivo de apoiar a consistência destes valores o compositor Andreas Schmidt-Hartmann compôs una sinfonia a partir dos 31 dos seus artigos  e de 7 discursos famosos sobre os Direitos Humanos.  O artigo 1 desta Declaração –  “All human beings are born free, equal in rights and dignity” (Todos los seres humanos nascem livres e iguais em direitos e dignidade)-, bem como a carta  do Chefe Índio Seattle  inspiram o  8ª andamento desta Sinfonia.  A “Sinfonía dos Direitos Humanos” é uma obra de arte multimédia que combina o  trabalho  dos artistas y experts altamente  qualificados em  audio y vídeo 3D, como Dominik Rinhofer  e a  equipa do  Dr. Herbert Buchner. Conta com a coreógrafa Anett Simmen y Edward Scheuzger, dois artistas que representarão  o homem e a mulher no contexto da sociedade humana, declamando textos antifonais com dois coros de adultos e um de jovens. Além disso, o público está envolvido diretamente em certos momentos de representação, seja em partes cantadas, ou em partes faladas.

Coral de crianças antes da interpretação da “Sinfonia dos Direitos Humanos”, liderado por Andreas Hartmann-Schmidt (com percussão de Pedro Nascimento). Foto: María Zozaya.

 

O diretor da peça é o compositor Andreas Schmidt-Hartmann, que comanda os músicos, estudantes da “pele Hochschule Musik & Theater Leipzig”. A estreia da peça “Seattle” e “Martin Luther King” está prevista para fevereiro de 2018, com a Associação de Coros de Berlim, na Igreja de Santa Cruz, em Berlim.

O 8º andamento da Sinfonia dos Direitos Humanos  foi ensaiado e apresentado ao público no auditório do Colégio do Espirito Santo da universidade de Évora,  no âmbito das Férias Corais Jovens que decorreram entre 25 e 2 de Julho de 2017,  por 36 jovens entre os 6 e 17 anos e por elementos do Corué e o Coral Évora

Maestro Andreas Schmidt-Hartmann a dirigir uma de suas composições. Fonte Foto: página do diretor

 O Professor  Andreas Schmidt-Hartmann vive e trabalha em Leipzig e Berlim como diretor coral, compositor, pianista e “freelance” na área musical. Ele estudou composição no Conservatório de Música “Hanns Eisler” em Berlim. Desde 2001 dirige vários grupos e coros, o mais recente é o “Berliner Soulchor” e “Discochor” e em 2014 fundou o coro da groove “SphereGroove Choir” . Nos últimos 12 anos, lançou várias músicas de sua autoria, juntamente com o coro juvenil “Friedrichshainer-Spazen”, que já é conhecido por suas performances em direto ne televisão. Ele gravou três CDs com o coro juvenil “Die Feen-Chori”. Também executa composições e arranjos para vários coros e músicos, e é responsável por vários Worshops na Alemanha. As suas composições e gravações estão disponíveis em edições impressas (Funkturm Verlag, Peermusic, Schott). Desde 2016 que se dedica a compor a “Sinfonia dos Direitos Humanos” no âmbito das comemorações do septuagésimo aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Sequencia de fotos Na sala do Tribunal da Inquisição, Fundação Eugénio de Almeida (FEA), cuja encarregada cultural explica a exposição “Doris Criolla” a aos participantes das Férias Corais Jovens, organizadas pelo Corué. Foto: María Zozaya.

O “CORUÉ” é o coro da Universidade de Évora, criado em 1983 pelo Professor Manuel Ferreira Patrício. É composto por membros da universidade (estudantes, estagiários, professores ou funcionários), juntamente com residentes em Évora, desde outubro de 2014 que é dirigido pelo maestro Pedro Nascimento.

Corue com alunos das Férias Corais. Foto: Emilio Figueira.

De referir que durante a semana das férias corais jovens  foi efectuada uma visita guiada à exposição sensorial “Doris Criolla” na Fundação Eugénio de Almeida, bem como a visita ao antigo Palácio da Inquisição de Évora, actualmente  convertido num Fórum, um espaço vocacionado para a promoção de acções artísticas, com um foco especial na arte contemporânea, orientados para o compromisso social e por práticas sustentáveis, que aposta numa programação multidisciplinar, formativa e inclusiva  (fonte: http://www.fundacaoeugeniodealmeida.pt/)

Museo de San Francisco, órgano barroco. Évora. Foto: María Zozaya.

*

Para consultar a versão original espanhola do texto, haga click aquí.

*

Créditos:

Texto en Bold/negrita: María Zozaya

Texto sin negrita sobre las ferias musicales: CorUe, Andreas Schmidt-Hartmann.

Traducción de su texto al español: María Zozaya

Tradução**  e adaptação do texto em Português : Maria João Rasga

**Nota: O texto apresentado em Português surge como resposta ao desafio feito a Maria Zozaya na sua pagina de facebook. Baseado no texto apresentado no Blog de Maria Zozaya.

Fotos: créditos junto a cada foto

Orgão barroco da igreja de de São Francisco, Évora, Portugal. Foto: María Zozaya.


Maria Zozaya

María Zozaya (Madrid, 1975) es doctora y licenciada por la Universidad Complutense de Madrid, donde fue premiada con los máximos galardones de la Universidad. Ha recibido varios premios de investigación (PVM, AHS, Maestranza de Ronda). Cuenta con cuatro libros y múltiples escritos. Ha viajado a numerosos lugares del mundo con sus congresos. Vinculado a su estudio de la sociabilidad tiene una web de artes contemporáneas, http://teartres.wordpress.com/. Disfruta de una beca Postdoctoral de la FCT en el CIDEHUS, en la Universidad de Évora, en Portugal.

También te podría gustar...

1 respuesta

  1. 05/07/2017

    […] Consulte aquí la versión portuguesa de Corue y Maria João Rasga. […]

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search